CMN prorroga operações de crédito para produtores rurais de Brumadinho

Os produtores rurais e os agricultores familiares de regiões atingidas pelo rompimento da barragem da mineradora Vale em Brumadinho, na região metropolitana de Belo Horizonte, ficarão seis meses sem pagar parcelas do crédito rural. O Conselho Monetário Nacional (CMN) aprovou hoje (7) a prorrogação do vencimento das operações para o início de julho.

Com a medida, as parcelas que vencem entre janeiro e julho poderão ser pagas até 1º de julho. Segundo o Ministério da Economia, o adiamento tem como objetivo evitar que os produtores afetados pela tragédia de Brumadinho entrem em situação de inadimplência e ganhem tempo adicional para regularizar a situação com a instituição financeira.

Terão direito à prorrogação somente os produtores que conseguirem comprovar, por meio de laudos de entidades oficiais, que foram prejudicados pelo colapso da barragem número 1 da Mina Córrego do Feijão. De acordo com o Ministério da Economia, a medida beneficiará 2.750 operações de crédito, das quais cerca de 60% foram feitas por agricultores familiares.

O adiamento abrange parcelas que vencem entre 25 de janeiro, dia do rompimento da barragem, e 30 de junho deste ano.

Agência Brasil
Autor: Wellton Máximo – Repórter da Agência Brasil

Siga, Curta e Compartilhe:
error