Exército explica sobre cuidados necessários no tráfego de ponte provisória em Guaçuí

Foto: Dayane Muruci.

A equipe do Batalhão de Engenharia do Exército do Rio de Janeiro, que está em Guaçuí, fala sobre os cuidados necessários quanto ao tráfego na ponte provisória instalada ao lado da ponte do Aésion, na BR 482.

Após a liberação de passagem de veículos, na última quinta-feira (18), o tráfego precisou ser interrompido temporariamente para alguns ajustes e já está liberada novamente.

Militares do exército estão no local para fiscalizar e orientar o trânsito. Quem passa pela ponte recebe a orientação de não ultrapassar a velocidade de 10 quilômetros por hora e não parar em cima da estrutura. “A ponte por ser provisória tem suas limitações. Passar com o veículo em alta velocidade pode causar algum deslocamento de estrutura”, conta um dos soldados que atua no local.

O peso máximo permitido para atravessar a ponte é de 80 toneladas. “No casso de veículos pesados, para passar é necessário apresentar uma pesagem que tenha sido feita no máximo 24 horas antes”, explicou o militar.

Além da limitação de peso, alguns ônibus e carretas não conseguirão passar pela ponte do exército devido a altura das rampas de acesso. A frente do veículo poderá arrastar na rampa e, consequentemente, danificar a estrutura.

O modelo da ponte permite a passagem de apenas um veículo por vez. Sendo assim, o tráfego funciona com o sistema “Pare/siga”.

Desde fevereiro desse ano, a ponte que liga Guaçuí ao município de Dores do Rio Preto está interditada, com risco de desabamento, aguardando reforma, que será realizada pelo Dnit.

Siga, Curta e Compartilhe:
error